quinta-feira, 18 julho 2024
- Publicidade -
HomeNoticiasEx-preso conta como funcionam as regalias em presídios do RJ

Ex-preso conta como funcionam as regalias em presídios do RJ

Date:

Related stories

Botafogo vence Palmeiras e se isola na liderança do Brasileirão

Partida foi uma das melhores do Brasileirão até então,...

Sancionada lei que permite prescrição de medicamentos por enfermeiros

Decisão foi publicada no DODF desta quarta-feira (17) e...
spot_img

O RJ2 desta segunda-feira (23) entrevistou com exclusividade um ex-preso do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste, que detalhou como funciona o sistema de regalias dentro das cadeias. Quem tem dinheiro paga para usar celular ou TV a cabo, tudo à vontade.

Além disso, encomendas são feitas a policiais e agentes penitenciários que trabalham nos presídios.

Sem se identificar, por questões de segurança, o homem, que passou quatro anos atrás das grades, disse que dentro das cadeias do RJ a proximidade entre os presos e os agentes do estado é grande – e manter essa boa relação custa caro.

De acordo com o depoimento ao RJ2, ter acesso a um celular no presídio é fácil. Mas o investimento pra comprar um aparelho é alto – e tem até tabela de preço.

“Tem tabela de preços em relação aos aparelhos e não em relação a quem vai comprar. Independente do preso que vai comprar, seja um matador perigoso, um traficante, se um valor é para um, é para todos. Agora tem telefone, depende muito da unidade. Tem unidade, que hoje eu converso, que é dois mil [reais] o telefone”, explicou o homem.

O “serviço” clandestino tem, inclusive, direito a chamada de vídeo.

“Se a visita não aparecesse, não tinha problema nenhum. Por exemplo, vou falar com meu filho, faço uma chamada de vídeo na hora que eu quiser, o tempo que eu quiser. A minha vó, ou seja quem for”, acrescentou o homem.

Fazer fotos e vídeos também está liberado. Tem registro dos presidiários fora e dentro da cela, da comida e até do banho de sol.

Em conversa por mensagem exibida pelo RJ2, um preso mostra uma foto de um roteador e comemora ter conseguido Wi-Fi. “Agora tenho Netflix e Wi-Fi na cadeia, meu amor!“, comemora o preso.

Esconder o aparelho durante uma fiscalização também envolve dinheiro.

“Antes de eles serem transferidos, eu ligava para ver se eles queriam vir. Eu explicava: ‘Vou te pagar mil reais por mês, independente se for preciso ou não. Tu vai receber mil reais por mês. Se você não quiser, eu deixo você falar no telefone por horas, estipula o horário que você precisa falar, eu deixo você falar, mas no dia que eu precisar, eu vou precisar que você guarde.”

O ex-presidiário disse que tudo era combinado com o “chefe de disciplina ou chefe de segurança”, a quem era informado o nome dos outros detentos que “guardariam” o aparelho.

Drogas e bebidas

Mais imagens exibidas pelo RJ2 mostram drogas e bebidas alcoólicas no presídio.

“Por exemplo, dois litros de energético é quinhentos reais. Uma batata, um frango, alguma coisa assim, é sessenta reais. Isso era coisa que usava constantemente porque eu não comia aquela comida. Eu comia batata, frango…”

No final de semana, o homem disse que fazia um “rateio” com outros “comissionados” da cadeia. Segundo ele, cada um colocava quinhentos reais para comprar “picanha, camarão”e “lanche no MC Donald’s”.

‘Cardápio’ pago no presídio:

  • Picanha, camarão, MC Donald’s – R$ 500
  • Energético – R$ 200

Para entrar com maconha na cadeia, por exemplo, a droga é embrulhada em papel carbono pra driblar o raio-x. E quem tem dinheiro também tem direito a uma alimentação personalizada.

“Nessa questão das condições básicas de saúde, é onde abre os olhos de alguns que veem que dentro daquela unidade tem preso que tem uma condição financeira boa, e ali ele se aproveita que a alimentação vem ruim e te oferece um lanche do MC Donald’s por cem, duzentos reais.”

Também é possível fazer encomendas, como picanha, camarão, whisky, Red Bull.

Comunicação entre cadeias

A comunicação entre presos de diferentes cadeias também acontece.

Em outra mensagem exibida pela reportagem, um preso comenta a chegada do ex-secretário de Administração Penitenciária Raphael Montenegro ao Presídio de Bangu 8.

No diálogo, um dos presos afirma que a entrada de Montenegro no sistema pode piorar a situação no complexo penitenciário porque “a direção está escaldada”, ou seja, com medo de ser pega na escuta e de o diretor ser exonerado.

Dinheiro na mão do diretor

Também no relato, o ex-preso afirmou que toda sexta-feira é preciso ter uma “certa quantia” de dinheio na mão do diretor da unidade.

“Existe uma regra que toda sexta-feira tem que seguir uma certa quantia na mão do diretor. O diretor deixa a gente solto, entre aspas, para fazer o que a gente bem entende. (…) Na verdade, tendo dinheiro você consegue muita coisa, praticamente tudo”, pontua o ex-interno.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária informou que depois de receber as denúncias vai instaurar uma sindicância para esclarecer os fatos. E acrescentou que a nova administração repudia qualquer irregularidade nas unidades prisionais.

Fonte: G1.

Assine

- Nunca perca uma história com notificações

- Obtenha acesso total ao nosso conteúdo premium

- Navegue gratuitamente em até 5 dispositivos ao mesmo tempo

Últimas notícias

-Publicidade -spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here