segunda-feira, 20 maio 2024
- Publicidade - spot_img
HomeDestaqueMuseu recria obras de arte com sons e até cheirinho de queijo...

Museu recria obras de arte com sons e até cheirinho de queijo em exibição adaptada para deficientes visuais

Date:

Related stories

Pit-bull sem focinheira morde adolescente de 17 anos e mata shih tzu

Um pit-bull atacou uma cadela e sua tutora, de...

DF: menina morre, aos 8 anos, após passar por várias unidades de saúde

A Secretaria de Saúde (SES-DF) confirmou a terceira morte...

Picanha na cueca: açougueiro é preso com carne escondida. Vídeo

Um açougueiro foi preso após furtar três peças de...

Mitsubishi, Corolla e XTerra. Veja carros disponíveis em leilão da PF

A Polícia Federal vai realizar leilão de 34 carros...

PMDF confronta manifestantes que atearam fogo em ônibus no Sul. Vídeo

Policiais militares do Patamo, integrantes do Batalhão de Choque...
spot_img

Os visitantes de uma exibição holandesa intitulada “O Ponto Cego” podem se surpreender com o cheiro que sentirão, mas no melhor sentido.

O Museu Central de Utrecht lançou o projeto inusitado neste mês de agosto visando tornar suas peças mais acessíveis e agradáveis para os deficientes visuais.

A exibição recria pinturas existentes, mas com dimensões adicionais, como som e odor — entre eles , o cheirinho de queijo sazonado. Outra novidade é que os visitantes podem tocar as obras.

Em uma delas, partes pintadas de amarelo e vermelho são quentes para representar as cores, enquanto o azul é pintado sobre uma superfície fria.

Os visitantes que enxergam são incentivados a usar uma venda para desfrutar das obras, que incluem uma nova versão de “Natureza Morta”, feita por Floris van Dyck em 1610: “Natureza Morta com Frutas, Castanhas e Queijo”.

“A primeira coisa que me impressionou foi o cheiro”, disse Farid el Manssouri, que é deficiente visual, sorrindo depois de passar as mãos sobre o queijo, as uvas e um pão transformados em objetos da tela original de Van Dyck.

El Manssouri se perguntou como a mesa estava inclinada sem que a comida caísse. “Isso foi realmente surpreendente de sentir… imagino que estava muito bem colado”.

O artista Jasper Udink ten Cate e o projetista Jeroen Prins disseram que a ideia surgiu quando eles serviram comida para acompanhar uma obra de arte durante uma exposição.

“Uma moça cega estava lá e nós a ajudamos a tocar o quadro. Ela ficou muito emocionada. Foi quando nós percebemos que tínhamos algo valioso. Aquele momento foi o ponto de partida”, contou Ten Cate.

A administração do museu se prepara para trazer mais exposições inclusivas e com recursos além dos visuais.

Fonte: G1.

Assine

- Nunca perca uma história com notificações

- Obtenha acesso total ao nosso conteúdo premium

- Navegue gratuitamente em até 5 dispositivos ao mesmo tempo

Últimas notícias

-Publicidade -spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here