sábado, 13 julho 2024
- Publicidade -
HomeBrasíliaTJDFT condena servidor a 14 anos de prisão por matar marido da...

TJDFT condena servidor a 14 anos de prisão por matar marido da amante

Date:

Related stories

Terracap reduz pela metade taxa de juros para compra de imóveis

Medida vale para unidades adquiridas por meio de licitação...

Saúde promove treinamento em neuropatia diabética e complicações nos pés

Capacitação visa manter a educação continuada dos profissionais da...

PEC da Anistia para partidos políticos é aprovada em primeiro turno na Câmara

Proposta de Emenda à Constituição isenta partidos de multas...
spot_img

O servidor do Ministério Público da União (MPU) Antônio Rufino Beserra Paiva (foto em destaque), 46 anos, foi condenado a 14 anos de prisão e à perda do cargo de supervisor de segurança. Ele é acusado de matar o motorista de ônibus Wagner Lúcio Evangelista Cezáreo, 39, em junho de 2021.

A decisão se deu após julgamento do caso pelo Tribunal do Júri do Gama, na terça-feira (2/4). O réu respondeu ao processo solto e poderá recorrer da decisão também em liberdade.

Os jurados acataram as duas qualificadoras apresentadas pelos promotores: motivo torpe para cometimento do crime e perigo comum, por expor várias pessoas a risco devido aos tiros disparados (leia abaixo).


0

Antônio matou Wagner Lúcio em 3 de junho de 2021, após o réu e a vítima discutirem em uma festa que ocorria em uma chácara na Ponte Alta do Gama. As investigações da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) revelaram que o motivo para o crime envolvia um suposto caso entre o acusado e a esposa do motorista de ônibus.

O réu usou uma pistola Taurus 9mm para cometer o assassinato. Antônio tinha autorização para portar a arma devido ao trabalho como segurança no MPU. Wagner Lúcio foi baleado no tórax e no braço direito e morreu no local do crime. A vítima trabalhava como motorista de transporte coletivo havia mais de sete anos e, à época, era funcionária da Urbi.

Detido em flagrante após o crime, o acusado teve a prisão convertida em preventiva após passar por audiência de custódia, mas, em setembro de 2021, a Justiça o autorizou a responder ao processo em liberdade.

A defesa do réu havia pedido a liberdade provisória em 27 de agosto daquele ano, sob alegação de que Antônio tinha bons antecedentes e residência fixa, além de trabalho. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por outro lado, recomendou a manutenção da prisão, por considerar graves as acusações contra Antônio e a existência de risco à ordem pública caso o acusado fosse liberado. A juíza do Tribunal do Júri do Gama, porém, decidiu a favor do preso.

Com informações do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)

Assine

- Nunca perca uma história com notificações

- Obtenha acesso total ao nosso conteúdo premium

- Navegue gratuitamente em até 5 dispositivos ao mesmo tempo

Últimas notícias

-Publicidade -spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here