sábado, 15 junho 2024
- Publicidade - spot_img
HomeOutrosMetrô-DF tem catracas abertas com fim da greve.

Metrô-DF tem catracas abertas com fim da greve.

Date:

Related stories

Suspeito de feminicídio já foi preso por homicídio e crimes sexuais

Wederson Aparecido Ananias de Moura, 36 anos, é considerado...

Em polêmica dos hospitais, CLDF publica nota contra CFM: “Intimidação”

A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) emitiu nota...

Vítima de feminicídio morreu esfaqueada na frente do filho, de 4 anos

Oitava vítima de feminicídio no Distrito Federal em 2024,...

Feminicídio: saiba quem é a mulher morta a facadas na frente do filho

Mãe de três filhos, Jainia Delfina de Assis, 42...

Ciclistas relatam rotina de perigo em treinos no Parque da Cidade

Atletas profissionais de ciclismo e triathlon da capital federal...
spot_img

Mesmo com a decisão dos trabalhadores de colocar fim a mais longa greve da categoria, as estações do Metrô não estão funcionando normalmente nesta quinta-feira (18/07/2019). Na da Praça do Relógio, no centro de Taguatinga, os guichês amanheceram fechados, e as catracas, abertas.

A Estação Furnas, em Samambaia Sul, também está funcionando com as catracas livres. No começo da manhã, os usuários não encontravam nenhum atendente nos guichês.

Na de Águas Claras, três dos cinco guichês estavam sem cobradores no começo da manhã. Porém, não havia registro de filas no local, por volta das 6h30. Segundo os próprios servidores, ainda há trabalhadores que não conseguiram chegar ao serviço no começo da manhã — o sistema começa a funcionar às 5h30. As catracas, porém, estavam passando os cartões. Na de Ceilândia Centro, a situação é parecida. Apenas um dos seis caixas cobrava dos passageiros. E nada de tumulto.

De acordo com um funcionário que preferiu não se identificar, os guichês não estão funcionando em algumas estações para evitar o pagamento de quebra de caixa. “A empresa já notificou que não vai pagar quebra de caixa, vale alimentação, indenização de transporte e auxílio-creche. Tudo era garantido pelo acordo coletivo e agora estamos sem”, explicou.

Os servidores temem terem o desconto nos salários no primeiro dia de volta ao trabalho. “A quebra de caixa ocorre caso a gente cobre pelas passagens e, ao fim do dia, tenha diferença de valores. Neste caso, eles descontam do nosso salário. Não queremos isso”, acrescentou o mesmo funcionário.

As informações foram confirmadas pelos departamentos de Trânsito e de Estradas de Rodagem do Distrito Federal — Detran-DF e DER/DF, respectivamente.

Assine

- Nunca perca uma história com notificações

- Obtenha acesso total ao nosso conteúdo premium

- Navegue gratuitamente em até 5 dispositivos ao mesmo tempo

Últimas notícias

-Publicidade -spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here